quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

#7 Filipa, A Cozinha Verde



Vegana, mãe e freelancer. Fundadora do bonito projeto, A Cozinha Verde, do qual já falei pelo menos uma vez aqui no blog. Já fui a dois workshops dados pela Filipa e valem mesmo a pena para quem está a começar ou, simplesmente, para quem precisa de novas ideias criativas para os pratos do dia a dia. (Quando é o próximo? :) ) Mas a Filipa não se limita aos workshops e show cookings. Faz também catering e entregas ao domicilio de uma grande variedade de produtos sem crueldade!

Ao ler as coisas bonitas que a Filipa escreveu, fiquei a gostar ainda mais dela e do projeto. Talvez se revejam, tal como eu, em muitas das coisas que diz. O porquê de se ter tornado vegetariana, as dificuldades que sente e o que diria às pessoas que têm medos e dúvidas mas que querem abraçar este estilo de vida. E, no final desta conversa, temos ainda uma deliciosa receita de uma sobremesa vegana e sem açúcar!


- O que mudou desde que te tornaste vegetariana/vegan?
Com a descoberta do veganismo descobri também uma paixão pela cozinha 100% vegetal. Alguns meses depois tomei uma decisão que implicou uma mudança significativa na minha vida. Larguei o trabalho de auditoria numa consultora multinacional para me dedicar exclusivamente a um projeto desenhado por mim, com o objetivo de inspirar outras pessoas para um estilo de vida mais saudável, ecológico e compassivo. Surge assim A Cozinha Verde, algures em Maio de 2013.
O processo de mudança não foi fácil, ou não fossemos nós animais de hábitos, mas a partir do momento em que tomei a decisão, senti imediatamente que tinha feito a escolha certa. A verdade é que me fui apercebendo ao longo daqueles anos em que trabalhei em auditoria, que aquilo não me realizava nem acrescentava algo mais à minha vida. O veganismo foi para mim o impulso para ir atrás dos meus sonhos.
Para além da mudança de rumo profissional, o impacto do veganismo na minha vida foi também visível a outros níveis. Tornei-me uma pessoa mais emocional e compassiva, mais tolerante. Menos stressada e ansiosa, e com uma vontade gigante de mudar o mundo! Percebi que somos NÓS a mudança que queremos ver e passei de agente passivo na sociedade para agente ativo. Costumo dizer que A Cozinha Verde é a minha forma de ativismo. <3
Por último, mas não menos importante, o veganismo trouxe-muitos benefícios no que toca à saúde. Mais energia e atenção, menos medicamentos e doenças.



- Que razões te levaram a mudar de estilo de vida?
Tomei a decisão de adoptar este estilo de vida depois de ver o documentário Earthlings, que resume, de uma forma profunda e muito realista, todos os aspetos que se encontram inerentes ao veganismo. A causa animal foi sem dúvida o motor de arranque. O confronto com a realidade da exploração animal, ao fim de 25 anos de existência sem me questionar sobre o impacto tremendo das minhas escolhas na vida dos outros, permitiu-me finalmente agir.
 Lembro-me como se fosse hoje do momento em que vi aquele documentário e dos sentimentos que despertou imediatamente em mim. O click tinha sido feito.
Retirei de um momento para o outro da minha alimentação tudo o que tivesse origem animal. Deixei de comprar vestuário e calçado feito de peles de animais, preferindo os tecidos mais naturais e orgânicos, provenientes de comércio justo, como o cânhamo, bamboo ou algodão orgânico. Os produtos de cosmética e limpeza da casa passaram também a ter escrito no rótulo not tested on animals e ganhei preferência por opções mais ecológicas (e amigas da carteira), como as nozes de saponária, shampoos sólidos, óleo de coco, vinagre e bicabornato de sódio, entre outras soluções maravilhosas. Deixei de financiar eventos e espectáculos que promovem a exploração animal, como circos, touradas ou zoológicos.
O que começara com uma motivação ética, rapidamente se tornou num estilo de vida saudável que melhorou significativamente a minha vida.


- O que dirias às pessoas que gostavam de ser vegetarianas mas têm medos, dúvidas?
Os meus conselhos a quem quer começar:
1. Escutem o vosso corpo. Ele diz-nos tudo aquilo que precisamos de saber, e indica-nos o melhor caminho a seguir, o que melhor resulta connosco. Desde uma mudança imediata e mais radical (como no meu caso), a uma transição mais suave e progressiva, a resposta está sempre em nós.
2. Informem-se. Leiam. Estudem muito. Procurem conhecer mais sobre esta alimentação e estilo de vida (Os workshops da A Cozinha Verde podem ser uma boa ajuda nesta fase). Aconselhem-se com quem já passou ou está a passar pela mesma situação. A informação é a nossa melhor arma, é ela que nos impede de cometer erros.
3. Por último, mas não menos importante, retirem prazer das pequenas conquistas, do vosso novo estilo de vida. Não encarem nunca esta mudança como uma “obrigação” ou “dieta”, mas sim como uma escolha consciente. Divirtam-se muito nesta viagem de descoberta de um novo mundo, cheio de cor, sabor e vida.



- Que dificuldades encontras no teu dia a dia, enquanto vegetariana?
Não sinto grande dificuldade em manter este estilo de vida. Felizmente, há uma abertura e sensibilidade cada vez maior por parte da nossa sociedade para os vegetarianos/veganos. No entanto, sei que esta facilidade é mais sentida porque vivo na capital, e que o cenário seria bem diferente se vivesse longe de Lisboa. Aqui, são cada vez mais os restaurantes vegetarianos ou com alternativas vegetarianas (ou ovo-lacto-vegetarianas mas que rapidamente se adaptam). Existem inúmeras lojas de produtos bio e vegetarianos com preços cada vez mais acessíveis, e até os hipermercados têm estado atentos a estas mudanças .

- Contar uma história caricata desde que és vegetariana.
Ao longo destes anos foram já vários os episódios engraçados em torno da minha escolha alimentar e estilo de vida. Vou contar um relativamente recente, aconteceu estava eu grávida do Lourenço, no Verão passado. No centro de análises clínicas conheci uma senhora muito simpática e já de alguma idade que lá trabalhava, e que mostrou interesse genuíno pela minha alimentação assim que lhe disse que era vegetariana.  Certo dia, tinha lá ido fazer umas análises, diz-me ela com um ar muito sério: “A Filipa nem parece vegetariana, tem tão bom ar e cor!”. Sorri, e expliquei-lhe que alimentação vegetariana não era sinónimo de falta de cor e ar doente.

- Receita da Filipa: Trio Maravilha (sem açúcar e sem glúten)
Esta é uma deliciosa sobremesa 3 em 1, muito rápida de fazer e simplesmente maravilhosa.
É composta por uma mousse de cacau e abacate, seguido de um creme de coco e finalizada com granola crocante.


Ingredientes 

Camada 1/Mousse cacau e abacate:
4 abacates maduros
3 a 6 cs cacau cru em pó
1/4 cup de geleia de arroz
Baunilha q.b. (opcional)

Camada 2/Creme de coco:
1 lata de leite de coco, fria
2 cs adoçante vegetal
Uma pitada de vagem de baunilha moída

Camada 3/Topping:
Granola Trinca q.b.
Folha de manjericão fresco, para decorar

Preparação:

Camada 1: Mousse de cacau e abacate
Num processador/robot de cozinha juntar todos os ingredientes e misturar, até obter um creme.

Camada 2: Creme de coco
Deixe a lata de leite de coco no frigorífico, por pelo menos 24h. Separe a polpa do líquido e bata com uma batedeira até obter a consistência desejada. Adoce a gosto com geleia de arroz e adicione uma pitada de baunilha.

Camada 3: Granola crocante
Junte granola Trinca às 2 camadas anteriores numa tacinha, uma folha de manjericão e delicie-se.


Para quem ficou com vontade de ir aos workshops da Filipa, consultem o site e ganhem ainda mais vontade com este mini filme!

video

Obrigada Filipa! Pelo que ensinas a pessoas vegetarianas e não vegetarianas e pela dedicação a todo o projeto e sensibilização para o veganismo. E, como disseste num deles, o mais importante é mesmo a vontade de mudar! 

Sem comentários:

Enviar um comentário